domingo, 3 de junho de 2012

Questões: Arrependida?

Contextualizando a questão:
Tu e o teu marido começaram uma vida juntos bastante cedo para o que tem sido normal acontecer nestes últimos tempos, principalmente porque não só se limitaram a juntar trapinhos mas também a casar e ter um filho! Mas a questão impõe-se: às vezes não te arrependes? Gostarias de ter aproveitado a vida de solteira por mais uns tempos? 

Na verdade o que parece ter sido muito rápido não foi. De facto começamos os dois (eu e o Zeus) muito cedo, com 16 anos (atualmente eu tenho 27 e ele 28 anos, separam-nos exatamente 6 meses de diferença, ele de 11 de Abril eu de 11 de Outubro de 84, aquela colheita exclusiva...ghrammm...ghrammm).
Naqueles 10 anos de namoro que antecederam o casamento, acreditem... vascalhamos muito (temos muito para vascalhar ainda), soubemos gozar a energia própria da idade e aproveitar momentos a dois (hoje em dia muito especiais, já que são raros)!
No início de 2008 vim viver sozinha, altura em que comecei a trabalhar, permitindo então vivermos mais ou menos juntos. Ele passou a ficar comigo nas férias que ia tendo do curso e eu ia passar as minhas a Lisboa (com ele claro)... Em 2009, ele terminou o curso e desde então partilhamos a mesma morada. Em 2010 surge o pedido de casamento, algo que só veio "oficializar" o que já tínhamos, não mudou uma virgula na nossa forma de estar, na nossa entrega na relação.
O que para vocês foram apenas 2 anos de vida em comum sem filhos, para nós são na realidade mais de 10 anos. Para nós (em especial para mim, admito) era a etapa que se seguiria naturalmente. Desejava-o desde os meus 18 anos, tive foi juízo suficiente para o protelar até aos 26 anos, sabendo que nesta altura seria capaz de sustentar uma criança.

Se me (nos) arrependo(emos) do percurso tomado? GARANTO QUE NÃO!
O Vasco, alterou-nos as rotinas, abalou a nossa relação, mas sem dúvida que aquele puto em 1 ano de vida deu-nos mais alegrias do que alguma vez nós poderemos ter dado a ele. Ele veio completar-nos, ensinar a amar outra pessoa que não um ao outro. Mais, asseguro que hoje em dia nós só não fazemos aquilo que não queremos. O Vasco não "empata" nada (o que já não garanto com 2 filhos). Se houver vontade, nós fazemos...

Depois de tantos anos juntos e de um turbilhão de mudanças, uma coisa é certa: Conseguimos olhar um para o outro com todo aquele t**** adolescente que sentimos outrora.
Ter casado com ele e ter sido mãe foram com certeza as decisões mais abençoadas na minha vida.


(Espero ter respondido à questão, e o meu obrigada pela mesma. Venham mais...)

3 comentários:

  1. Rezo aos santinhos pa que a última parte do teu post seja um dia as minhas palavras:

    "Depois de tantos anos juntos e de um turbilhão de mudanças, uma coisa é certa: Conseguimos olhar um para o outro com todo aquele t**** adolescente que sentimos outrora."


    já se sabe que em alguns casos a relação vai-se perdendo. Felizmente contigo não foi assim :)

    ResponderEliminar
  2. Eu ao ler este teu post penso que fui tão apressadinha! Namorei cerca de 3 anos. Fui pedida em casamento em 2007, em 2008 juntamo-nos, casamos, engravidei. Em 2009 nasceu a Mia. Em 2010 engravidei novamente. Em 2011 nasceu o Ben:)) O importante nestas vidas é sermos felizes!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maria João isso deve-se a timings diferentes, lembra-te que começamos mais cedo... se calhar se o tivesse conhecido mais tarde é certo que não namorariamos por tanto tempo :)

      Eliminar

Lilypie Premature Baby tickers